A LEI DA REVELAÇÃO PDF Print E-mail

A correta interpretação da Bíblia deve começar com a verdade básica de que Deus deu uma revelação de Si mesmo e Sua vontade. Sem isso, o homem estaria no mar sem estrelas ou sem bússola, e todos os seus pensamentos do que é a vontade de Deus não seriam nada senão a imaginação de seu próprio coração e mente depravados. Pela natureza ninguém entende a verdade de Deus, pois ela está numa esfera estranha ao pensamento do homem. Assim lemos em 1 Coríntios 2.14. O pecado perverteu de tal forma o pensamento humano que o homem não pensa como Deus pensa, Isaías 55.7-9. Daí, a verdade de Jeremias 10.23. 

Os primeiros versículos da Bíblia, Gênesis 1.1-6, sugerem essa revelação que Deus fez de Si mesmo, pois embora os versículos 3-5 estejam relacionados à luz literal, é certo porém que há um simbolismo aí que é explicado mais tarde como tendo a ver com iluminação espiritual, 2 Coríntios 4.3-6. Observe aqui o versículo 6 em particular: "Porque Deus, que disse que das trevas resplandecesse a luz, [referindo-se a Gênesis 1.3-5] é quem resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo." Aqui está a revelação de Deus de Si mesmo, e essa revelação foi feita com a maior plenitude e conclusão com a vinda do Filho de Deus numa natureza humana, conforme lemos em João 1.18: "Deus nunca foi visto por alguém. O Filho unigênito, que está no seio do Pai, este o fez conhecer". Muitas vezes as Escrituras mostram que as coisas literais têm um sentido simbólico e típico que não é evidente à primeira vista.

Essa primeira e importantíssima Lei de Interpretação da Bíblia " A Lei da Revelação " é tal que se não formos sólidos nela, não poderemos ser sólidos em nada mais, por mais sinceros ou zelosos ou instruídos que possamos fora disso ser. É isso o que mostra Isaías 8.20. "À lei e ao testemunho" Se eles não falarem segundo esta palavra, é porque não há nenhuma luz neles". Isso é suficientemente claro, não é" Toda luz espiritual = verdade " corresponderá à Lei e ao Testemunho de Deus.

Essa Lei é que Deus revelou tudo o que alguém precisa saber sobre todas as coisas espirituais. Ele não falou extensivamente nas esferas da ciência, matemática, genética e muitas outras esferas, mas onde Ele falou nessas áreas Ele falou em verdade. Lemos em Deuteronômio 29.29 acerca do dever humano com relação à revelação de Deus dos assuntos espirituais. "As coisas encobertas são para o SENHOR, nosso Deus; porém as reveladas são para nós e para nossos filhos, para sempre, para cumprirmos todas as palavras desta lei". Deus reservou muitas coisas secretas para Si, e o homem não tem nem a capacidade de conhecê-las nem lhe compete sondá-las, mas ele está sob a obrigação de saber e fazer o que foi revelado. E ele está pela natureza sob maldição por negligenciar saber e fazer o que foi revelado, Gálatas 3.10.

Essa Lei da Revelação terá relação com quatro verdades básicas, a primeira sendo A Revelação do próprio Deus, da qual já falamos brevemente. Embora a própria criação testifique da existência de Deus, e o Salmo 19.1-4 deixe toda a humanidade sem desculpa por não se submeter a Ele, Romanos 1.18-20, contudo há muitas coisas sobre Deus que o homem não poderia saber se não fosse pelo fato de que Ele as revelou nas Escrituras.

O primeiro versículo da Bíblia é um testemunho da natureza triúna da Divindade, pois a palavra "Deus" traduz o substantivo hebraico Elohim. A palavra raiz "Eloh" significa literalmente "o Forte", e isso é evidenciado em que esse Forte criou o mundo, e tudo o que está nele, de modo que todos pertencem a Ele por direito de criação, 1 Coríntios 10.26. Essa verdade acusa todo ser humano que não está vivendo em submissão à vontade de Deus. A terminação "-im" é a terminação plural das palavras hebraicas. E aqui é necessária uma explicação. Em português temos substantivos no singular, referindo-se a um, e no plural, referindo-se a dois ou mais. Mas a língua hebraica é diferente, pois tem três números: singular " um; dual " dois; e plural " três ou mais. Daí, a terminação plural desse substantivo se refere a Deus " o Forte " como um Ser uniplural consistindo de três ou mais Personalidades. O restante das Escrituras limita essa pluralidade só a três Pessoas, o Pai, o Filho e o Espírito. Mas ao contrário dos tão chamados unitaristas (os trinitaristas são mais verdadeiramente unitaristas, pois cremos na Unidade de Deus, que não é incoerente com o Trinitarianismo, que sustentamos), as Escrituras começam com um testemunho da doutrina da Trindade, que é explicada posteriormente na Bíblia.

Imediatamente no começo das Escrituras vemos a soberania de Deus, Sua personalidade triúna, Seu direito de posse e Senhorio de toda a criação, Sua benevolência, e muitas outras coisas. Mais tarde Elohim é revelado como Jeová, que é Seu nome pessoal, e esse nome significa que Ele é o Deus que guarda alianças e se preocupa com Seu povo.

Todas as atitudes subseqüentes de Deus para com os homens manifestam Sua santidade imaculada, e conseqüentemente Sua justiça incontestável que deve e punirá todas as violações de Sua santa vontade. "Porque tu não és um Deus que tenha prazer na iniqüidade, nem contigo habitará o mal. Os loucos não pararão à tua vista; odeias a todos os que praticam a maldade. Destruirás aqueles que falam a mentira [quer dizer os que falem contrário à Sua revelação]; o SENHOR aborrecerá o homem sanguinário e fraudulento". (Salmos 5.4-6)

A revelação que Deus faz de Si mesmo não só revela que Ele é Criador e Senhor, e que portanto todos os homens devem fidelidade e adoração a Ele, mas também revela Sua direção providencial de todas as coisas para o bem da criatura quando ela se submete à vontade de Deus. A falha do homem em fazer isso é o que constitui a depravação humana, e conseqüentemente a condição perdida do homem, e assegura a todos os que assim agem que um dia eles serão julgados e condenados. Nenhum texto revela melhor as operações providenciais de Deus para o bem de sua criatura mais elevada do que Romanos 8.28: "E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados por seu decreto".

Mesmo que não houvesse outros fatores, só esse bastaria para condenar o homem à perdição eterna, não houvesse uma redenção feita para ele, pois sua descrença é apesar da " e contrária à " contínua bondade de Deus para com ele. Uma das principais, se não a principal, ênfase das Escrituras é que o Deus Triúno que guarda a aliança que Ele fez com o Seu povo realizou uma redenção por eles. A primeira comunicação disso foi dada enquanto o homem caído estava ainda no Jardim do Éden quando Deus predisse que a Semente da mulher derrotaria a semente da serpente, Gênesis 3.15. Esse foi o propósito declarado da encarnação do Filho de Deus. "E dará à luz um filho, e chamarás o nome de JESUS [do hebraico Jehoshua significando Jeová é Salvador], porque ele salvará o seu povo dos seus pecados". (Mateus 1.21) "Bem como o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e para dar a sua vida em resgate de muitos". (Mateus 20.28)

Todas as coisas revelam a personalidade graciosa de Deus, e devem ser reconhecidas como a revelação que Deus faz de Si mesmo, de outra maneira não podemos interpretar corretamente a Palavra de Deus. Mas há ainda outra coisa que é parte da revelação que Deus deu, e que é, segundo, a revelação da impiedade, ou depravação humana. Esse é o ensino claro das Escrituras acerca do estado natural do homem desde o momento do nascimento. O primeiro homem, que representava todos os que descenderiam dele, pecou, e assim trouxe um estado natural de pecaminosidade sobre todos, Romanos 5.12. Daí, a verdade de Romanos 3.23: "Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus". Isso é inegável, pois todos provam isso continuamente, como o salmista foi movido a escrever no Salmo 10.4-11. O versículo 4 dessa passagem explica a aversão universal do homem a Deus até que ele tenha graciosamente se convertido: "Por causa do seu orgulho, o ímpio não investiga; todas as suas cogitações são: Não Deus". Aqui está, incidentalmente, a definição de Deus para a maldade. Não necessariamente a imoralidade, mas simplesmente uma aversão inata que move o homem natural a ter tão pouco a ver com Deus quanto possível. Portanto, ninguém pode com justiça interpretar as Escrituras enquanto nega a depravação total do homem.

Embora o homem continuamente negue sua impiedade, e tente justificá-la, sua vida porém é uma prova viva dessa impiedade. Um leigo cristão certa vez disse que as pessoas que afirmarem não crer na depravação total, com certeza a praticam abertamente. Mas quer o homem a reconheça ou não, as Escrituras continuamente revelam a pecaminosidade do homem. O homem natural ama o que Deus odeia, e odeia o que Deus ama, e não quer nada a ver com Deus, e isso é devido em grande parte ao fato de que Deus revela o que o homem não quer, em seu total egocentrismo, reconhecer " sua impiedade inata. Tragicamente, muitos pastores aprovam os pecados dos pecadores quando tentam remover a doutrina da depravação total mediante suas interpretações da Bíblia.

 

 


RADIO GOSPEL ON LINE

"